sábado, 9 de maio de 2009

Petição para esses que já se renderam

Àqueles que não se cansam de se indignar, minhas salvas. Poderia aqui escrever um texto que contestasse suas várias atitudes, como esses gostam de fazer, mas entre esses e aqueles, prefiro aqueles, os que pensam que mudarão o mundo. Se sou como tais, não importa. Só importa o que direi a esses: calem-se. Não frustrem aqueles que diligentemente não se conformam, não desacreditem os que tem convicção de que são capazes, não ofusque os que, cegos, tentam fazer alguma coisa.
Não me digam que vocês serão chefes de redações de algum jornal sensacionalista ou donos de uma agência de publicidade. Parabéns a vocês (sem ironias). Corram pelo que é seu se as suas metas são encher-se de dinheiro, não acreditar no mundo, guardem toda sua sina pra você.
Calem-se, muitas pessoas vão querer ouvi-los (conformadas como vocês) nos seus jornais, lá vocês poderão dizer todos seus dogmas morais e serão acalentados pela maioria – e gostaria de desdizer Nelson aqui, a maioria não é burra, ela é só conformada (e juro, não acho que isso seja mal! É uma escolha, oras!) – mas, ademais, não desdigam aquele que trabalha por outro prol. Saiam juntos, aos bandos, amassem todo o barro que será digno de vocês. Chamem-me pra sair quando disserem o que pensam sobre o mundo, quero estar também, isso eu acho legal! Mas não frustrem aqueles que sonham. Não acabem com um discurso construído amiúde, com labor. Não se metam a dizer que não vai dar certo usando seu linguajar bombástico – ainda que saibam que não irá – pois essa é justificativa dos acomodados.
Não me falem de méritos, de quem suou a camisa pra chegar lá, isso não importa. Todo mundo fez o que suas condições (psicológicas, financeiras, ideológicas, etc.) lhe impeliram a fazer. [Não sei ainda qual é a honraria em ser da artilharia do exército porque batalhou (não existiria outra palavra melhor) para tanto, se sua finalidade é matar pessoas e socar uma cultura sob o juramento sofismável de uma bandeira, mas isso é outra coisa (ou não)].
Se suas escolhas são só suas, em seu proveito, elas não interessam a ninguém. Soquem elas no seu ego e deixe ar para os que respiram também. Se você está cagando para o que os outros fazem, não os impeça de fazer, viva na sua redoma e cale-se. Nada tenho contra os acomodados, só contra os acomodados militantes.

Maurício Campos

19 comentários:

Amanda Maia disse...

Achar por achar,pensar e viver no seu mundo é uma coisa;expor essa opinião e ser convencincente aos outros daquilo que VOCÊ acha é outra história.Cada um tem seu cabeça,sua vida,seus sonhos,vontades,sua ética,responsabilidades,enfim,sua idéia do que é certo e errado para si.Seremos moldados ainda.Quero ver se todo discurso vai permanecer.Agora prefiro a identificação com palavras alheias,como essas,e apenas calar-me.

T.M disse...

Saúdo-te pelas idéias e compartilho delas. Que elas não morram na esquina.

Luiz Felipe Leal disse...

Acredito nisso tudo com um louco, estamos juntos. "Nada tenho contra os acomodados, só contra os acomodados militantes."

um abraço.

Rê Gomes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rê Gomes disse...

é um texto interessante, mas eu queria fazer uma observação. No texto, você pede aos acomodados que se calem, que guardem suas opiniões de acomodados para si próprios, caso contrário desencorajariam os sonhadores, os idealistas. Bem, não seria também plausível interpretar do outro lado? Não poderiam os acomodados também pedirem para que os idealistas ficassem quietos, para não perturbarem a sua acomodada paz? Por essa lógica, seria cada um na sua. Cada um guardando as suas opiniões para não incomodar o outro. Acontece que na lógica do "cada um na sua" nada acontece. É preciso que todos os lados se expressem para que haja uma discussão construtiva, para que a oposição de um incentive o outro.
Entenderam meu ponto? Pensem a respeito.

Eduardo Mergener disse...

Grande texto! Concordo com a Renata, porém, quando pedes que os acomodados se calem. Proponho o seguinte: Vamos todos nos degladiar em palco aberto (ao sairmos seriamos grandes amigos novamente) e felizes seriam os que estivessem la para assistir e refletir.

TDV Produções disse...

"Só não erra quem não faz nada, mas esse é o maior erro de todos" - já dizia Luiz Carlos Prestes

Wemerson disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Wemerson Fraga disse...

Exaltável seu pensamento, Maurício. Excelente texto! Vivo por essa idéia... Fico sinceramente tocado quando esse discurso ideológico é consciente. Caminhamos juntos.

Raio disse...

Vaos todos gritar, sonhadores e conformados! No dia que um conformado apagar o sonho de um sonhaor, esse não o era de fato.

Wemerson Fraga disse...

e conformados de fato gritam?

Eduardo Mergener disse...

Com certeza que gritam. Gritam todos os dias em todos os meios. Afinal, o discurso dele chegou aos seus ouvidos, não chegou?

"Posso não concordar com uma palavra do que dizes, mas defenderei até morte o teu direito de dizer" - Voltaire

Maurício disse...

Bom, é claro que as palavras de ordem para que se calem são um tanto como expressivas. Faz parte de um discurso enfático e de quem, realmente, está incomodado com a situação. Mas, não seria prudente que os acomodados sacrificassem um pouco do seu livre-arbítrio para deixar para os que tem peito pra fazer alguma coisa decididamente fazer? Se pouco importa pra eles pra onde tudo vai, porque não parar de atrapalhar?
Acredito que é um ponto de compensação desequilibrado, não é só uma relação de ver por outro lado, pois existem mais arestas aí. Se não quer fazer, só não atrapalhe porque, com certeza, os sonhadores não vão atrapalhá-lo. No mínimo, darão mais dignidade ao mundo. Agora, se esses rendidos forem também contra a dignidade, se acharem que a busca por ela interfere "na sua paz", nem acomodados o serão mais; serão gratuitamente os Contra.
E meus salvas aos que - eu já sabia quais seriam - compartilham da minha opinião.
Abraço!

Wemerson disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Wemerson Fraga disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Wemerson Fraga disse...

gritam mesmo os conformados de fato? ou gritam inquietos frustrados? gritam aqueles que pedem socorro a quem não se empalideceu? ou gritam apenas como amplificadores de não-conformistas de qualquer intenção? e mais - se são conformados, por que gritam? conformados não gritam, não se conformam em não gritar, em não ouvir, em não falar?

Luiz Felipe Leal disse...

"amplificadores de não-conformistas de qualquer intenção". isso é realmente muito forte, mas nada como desenvolver caminho para passar de um qualquer para algo concreto.

Rê Gomes disse...

concordo com a Raio, idealista que é idealista não se deixa abater. E mais: o verdadeiro idealista ouve o que dizem os acomodados e usa isso como fonte de motivação para seguir em frente. Como disse o Edurado: Voltaire, gente!

Anônimo disse...

voltaire, o patife das citações? hahahah